O que é Doula?!

Hoje o é #ésextafeira está especial, minha primeira entrevista aqui no blog e com uma pessoa que possui uma profissão que eu admiro tanto, e iremos abordar um assunto tão importante e que todas as mulheres deveriam saber.

 

A Cris Doula conheci quando estudamos juntas – não me recordo a série – e nunca esqueço quando reencontrei ela anos depois e ela me falou que estava trabalhando como Doula, eu na minha “ignorância” fiquei com muitas dúvidas, pois até então nunca tinha escutado nada sobre o assunto, até que mais tarde esse assunto começou aparecer nas redes sociais e canais de comunicação, e pude ter a noção da importância dessa profissão.
Mas mesmo sendo um assunto atual, percebo em minha volta que muitos são os questionamentos e faltam clarezas em alguns pontos, por isso e por ser a favor resolvi chamar a Cris para responder algumas dúvidas e trazer mais um pouquinho de conhecimento para vocês.
A palavra “doula” vem do grego “mulher que serve”. Nos dias de hoje, aplica-se às mulheres que dão suporte físico e emocional a outras mulheres antes, durante e após o parto.
E o termo “humanização” carrega em si interpretações diversas. A qualidade de “humano” em nossa cultura quase sempre se refere à idéia arraigada na moral cristã de ser bom, dócil, empático, amável e de ajudar o próximo. Nesse contexto, retirar a mulher de seu “sofrimento” e “acelerar” o parto através de medicações e de manobras técnicas ou cirúrgicas e é uma tarefa nobre da medicina obstétrica e assim vem sendo cumprida.
A humanização proposta pela ‘humanização do parto’ entende a gestação e o parto como eventos fisiológicos perfeitos (onde apenas 15 a 20% das gestantes apresentam adoecimento neste período necessitando cuidados especiais), cabendo a obstetrícia apenas acompanhar o processo e não interferir buscando ‘aperfeiçoá-lo’.
(Fonte: http://www.despertardoparto.com.br/parto-humanizado—o-que-eacute.html).
Luize: Você poderia contar um pouco sobre a sua história, como conheceu essa profissão e qual a função e importância de uma Doula? 
Cris: Fui mãe bem jovem com 17 anos, mas sempre foi o meu sonho, e me adaptei muito bem a maternidade. Só não me adaptei com o ‘’parto’’, passei por uma cesariana e senti muita dor no pós-parto. Só depois disso que descobri o que eram as doulas, e como elas são importantes para as mulheres que querem um parto normal, já que no Brasil a grande maioria dos obstetras são adeptos a cesariana. A doula acompanha a gestação da mulher passando informações sobre o parto, assim a mulher escolhe como ela quer seu parto, onde, e qual o profissional que vai respeitar suas decisões. No parto a doula dá um suporte emocional e físico muito importante, para que a mulher não desista durante o processo, e tenha uma experiência boa e não traumática. No pós-parto a doula ainda auxilia a mulher com as dúvidas que aparecem.
 
Luize: Nesse tempo que você está trabalhando, quantos partos já acompanhou? Dentre esses, você poderia dividir a história de um, de como foi todo o trabalho até o nascimento?
Cris: Nesses 4 anos acompanhei 300 nascimentos. Difícil escolher um, porque cada parto é único, e tem algo de especial. Então vou contar o parto mais longo que já acompanhei. Ela estava com alteração da pressão, já no final da gestação e a obstetra precisava interromper antecipando o parto. Então ela começou a indução. Fiquei no hospital desde o início o bebê nasceu após 48 horas. Foi exaustivo para a obstetra, casal e pra mim, mas foi inesquecível e emocionante.
Luize: Quais as diferenças de um parto humanizado, cesárea e normal?
Cris: O parto humanizado é o parto que a mulher tem informação sobre tudo, ela tem opções, e com tudo isso ela escolhe o que acha melhor. Por ex: Ter um parto na água, poder caminhar, poder se alimentar, escolher quem ela quer na sala de parto, escolher ter uma doula, entre outros. A cesárea é uma cirurgia que como toda possui seus riscos, então só deve ser realizada se tiver uma indicação real, baseada em evidências científicas. Foi feita para salvar vidas, não para ser uma escolha, para decidir um dia e horário. O parto normal o nome já diz, normal. O corpo é programado para parir, então a mulher entra em trabalho de parto, o bebê recebe todos os benefícios, e vai direto para o colo da mãe. Mas nem sempre um parto normal é humanizado. Os famosos partos ‘’anormais’’ são os partos onde as mulheres sofreram violência obstétrica, onde foram privadas de alimento, de um acompanhante, de privacidade e respeito.
Luize: Quais as dificuldades e riscos (se existirem) que a mulher pode ter ao escolher o parto humanizado?
Cris: A dificuldade hoje em dia em ter um parto humanizado é achar um obstetra que saiba atender partos naturais e que tenha paciência para acompanhar um parto normal. O parto humanizado não aumenta os riscos nem para mãe nem para o bebê. São os mesmos riscos de um parto normal, vaginal, que ainda é menos arriscado que uma cesárea.
 
Luize: Quais os benefícios para o bebê?
Cris: Pro bebê o fato dele passar pelo trabalho de parto faz com que ele nasça maduro, pronto para nascer, para respirar, etc. O parto humanizado para o bebê é menos traumático que qualquer outro tipo de nascimento.
Luize: Existe alguma recomendação e preparação que auxiliam de forma positiva na hora do parto?
Cris: Sim, eu recomendo que todas as mulheres tenham uma doula, e tenham um obstetra que elas possam confiar, e que pensem como elas, que saibam e gostem de atender partos humanizados.
Luize: Um dos comentários que eu escuto quando se fala nesse assunto, são que as mulheres sofreram muito durante o parto e que o bebê teve risco de vida ou teve algum problema de saúde após o parto, o que você tem a dizer quando escuta também comentários desse tipo?
Cris: Geralmente faço algumas perguntas como: Permitiram que você tivesse um acompanhante? Ofereceram alimentos leves durante o trabalho de parto? Sugeriram que você se movimentasse? Explicaram as formas naturais de alívio de dor? Seu bebê foi monitorado de hora em hora durante todo o processo do parto? Na grande maioria das vezes a resposta é não! Tudo isso no parto humanizado é um sim.
Luize: Você acredita que atualmente as pessoas estão mais informadas sobre esse assunto? A imprensa tem ajudado nessa questão?
Cris: Sim, acredito. A humanização do parto é um trabalho de formiguinha, mas que nos últimos anos tem ganho destaque. Além disso com o uso da internet as mulheres conseguem achar informação de qualidade, e acabam entendendo que nem sempre o que o obstetra diz será o melhor para elas. A própria OMS (Organização Mundial de Saúde) e o Ministério da Saúde estão estimulando as mulheres a terem partos humanizados, e pressionando obstetras a atenderem seus partos de forma digna e respeitosa.
Para conhecer melhor o trabalho da Cris e conseguir contatar o seu trabalho é só entrar no site dela ou enviar e-mail: www.crisdoula.com / cris@crisdoula.com
Acredito ser interessante repassar esses dados que encontrei no site da Cris:
Vantagens
As pesquisas têm mostrado que a atuação da doula no parto pode:
diminuir em 50% as taxas de cesárea
diminuir em 20% a duração do trabalho de parto
diminuir em 60% os pedidos de anestesia
diminuir em 40% o uso da oxitocina
diminuir em 40% o uso de forceps.
Embora esses números refiram-se a pesquisas no exterior, é muito provável que os números aqui sejam tão favoráveis quanto os acima mostrados.
E 6 semanas após o parto, mulheres que tiveram doulas:
*Menos ansiosa e depressiva;
*Mais confiante com seu bebê;
*Mais satisfeita com seu parceiro
* Maior sucesso na amamentação;
( Estas estatísticas aparecem em ” A Doula faz a diferença” de Nugent in Mothering Magazine, Março-Abril 1998 e ” A Doula” By Klays em Chilbbirth Instructor Magazine, 1995).
 
Gostaria de agradecer a Cris e aproveitar para parabenizar por esse trabalho lindo que você vem fazendo e espero sinceramente que todas as mulheres possam se interessar em conhecer mais sobre esse assunto, e assim termos cada vez mais humanização nesse momento tão especial na vida entres seres, mãe e filho <3
Imagens: Arquivo pessoal da Cris Doula.
Beijos!

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *